quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Síntese comentada do capítulo 4 do Manual de Conforto Térmico, de Frota e Schiffer

Capítulo 4 - Controle da Radiação Solar

  Neste capítulo, o autor trata da necessidade do conhecimento das “noções básicas da Geometria da Insolação, a qual possibilitará determinar, graficamente, os ângulos de incidência do Sol, em função da latitude, da hora e da época do ano” para as questões de conforto ambiental, sobretudo em climas quentes.

 “[...] um observador localizado em um ponto qualquer da superfície do globo terrestre terá a impressão de que é o Sol que se movimenta ao redor da Terra, ao longo do dia e do ano”.
  Apesar de já se saber através de todas as tecnologias desenvolvidas pelo homem que é a Terra que se movimenta em torno do Sol e não o contrário, para um simples observador habitante deste planeta o que parece acontecer é o contrário. Portanto, atribui-se o termo de “movimento aparente do sol” a esse fenômeno.

“Para um observador (A), situado em uma dada latitude da Terra, esta aparentará ser um grande plano e, ao olhar para os corpos celestes, terá a impressão de que se situam em uma superfície esférica, da qual ele é o centro. Esta superfície imaginária, onde os astros são representados por suas projeções, denomina-se esfera celeste”.
  É na esfera celeste que localizamos, didaticamente falando, os astros que enxergamos da Terra. Se o observador se movimenta, a esfera “se movimenta” também, uma vez que está intimamente relacionada às questões do campo de visão do observador.

  “O azimute solar — a — é a medida angular tomada a partir da orientação norte do observador. A altura solar — h — se relaciona com a hora do dia”.
  Observando a trajetória de nascimento e pôr do sol, é que a altura solar irá variar, uma vez que está relacionada com o ângulo entre a linha do horizonte do observador e a posição do astro. Do nascer ao meio-dia esse ângulo vai crescendo, e do meio-dia até se pôr ele vai decrescendo com o passar do tempo.

  A partir do estudo das cartas solares (representação gráfica da trajetória do sol) podemos descobrir os horários de insolação sobre determinada superfície e, consequentemente, pensar formas de amenizar os efeitos indesejados dessa insolação. Como ela não é uniforme durante o ano, é necessário examinar-se os dias típicos e nessa medida, perceber em qual estação a superfície recebe mais calor, por exemplo.

  O autor indica que com um estudo minucioso dessas questões e do ângulo de sombra podemos escolher o dispositivo mais adequado para cada superfície. 

2 comentários: